Analise contrastiva dos romances: “amor de perdição” de camilo castelo branco e “inocência” do visconde de taunay

Solo disponible en BuenasTareas
  • Páginas : 25 (6043 palabras )
  • Descarga(s) : 0
  • Publicado : 5 de mayo de 2011
Leer documento completo
Vista previa del texto
Analise Contrastiva dos Romances:
“Amor de Perdição”
de Camilo Castelo Branco
e
“Inocência”
do Visconde de Taunay


Instituto Superior Josefina Contte

Professorado de Português

Disciplina: Literatura Lusófona

Professora: Balcinha, Joaquina.

Aluna: Ratti, Silvina.

.Ano: 2010

Introdução

Este trabalho tem o objetivo de contribuir para uma melhor compreensão domovimento literário denominado Romantismo Português e Brasileiro, a partir da analise contrastiva das características dos romances “AMOR DE PERDIÇAO” novela Portuguesa do autor Camilo Castelo Branco e a obra “INOCÊNCIA” do Visconde de Taunay referente da literatura Brasileira.
Para isto levaremos em conta: A estrutura interna da obra, as diferenças e semelhanças entre os autores, o tempo, o espaço,as semelhanças e diferenças das personagens femininas, a realidade histórico social e o levantamento dos elementos do romantismo que aparecem nos romances. Por último realizaremos um resumo das obras.



Contexto Histórico: O Romantismo

O século XIX inicia-se de forma turbulenta. Politicamente. Vive-se o ambiente revolucionário criado pela Revolução Francesa, que somada à independênciados EUA (1776), estimula em toda Europa o debate acerca das idéias liberais.
Economicamente, acontece a expansão da revolução Industrial, iniciada na Inglaterra, no século XVIII. É o momento em que os ideais burgueses de “Liberdade, Igualdade, Fraternidade”, tão difundidos antes e durante a Revolução Francesa, são confrontados com a dura realidade da produção em série, da divisão e das longasjornadas de trabalho, dos salários de miséria e até da escravidão, como no caso do Brasil.
Culturalmente o Romantismo também apresenta uma revolução já que rompe com a tradição clássica, que perdurou do século XVI ao XVIII.
Como expressão artística da burguesia e da classe media, a arte romântica interessa-se pelos assuntos mais diretamente relacionados ao seu público e ao momento histórico vivido.Ganha destaque os temas relacionados à Revolução liberal, às origens do povo e sua cultura, ao folclore e as tradições populares em geral, aos cenários urbanos em que vive o seu publico, etc.
Em Portugal , os ideais desse novo estilo encontram , a exemplo do que ocorrera na França , um ambiente adequado ao seu teor revolucionário . Opunham-se naquele país duas forças políticas : os monarquistas ,que pretendiam a manutenção do regime vigente , depois da expulsão das tropas napoleônicas que tinham invadido o país em 1806 , e os liberais , que pretendiam sepultar de vez a Monarquia . A Revolução Constitucionalista do Porto ( 1820 ) representou um marco na luta liberal , mas os monarquistas conseguiram manter o poder durante todo o período , marcando com perseguições as biografias de muitosescritores daquele país , quase sempre adeptos do Liberalismo .
No Brasil , o Romantismo encontrou um processo revolucionário em curso : a Independência de 1822 lançou ao país um novo desafio - afirmar-se como nação . Isto queria dizer construir uma identidade própria . Esta foi a principal tarefa dos nossos românticos .

Características da Linguagem Romântica
As características mais comunssão:
• Subjetivismo: O artista trata os assuntos de forma pessoal (função expressiva da linguagem)
• Idealização: Acentua e exagera algumas características, como a perfeição da pátria ou a delicadeza e virgindade da mulher entre outras.
• Fusão do grotesco e do sublime: O romântico defende a fusão do grotesco (feio) com o sublime (o bonito), contrariamente ao belo, que perdurou por muito tempona arte, por orientação do modelo clássico Greco.
• Sentimentalismo: A relação entre o romântico e o mundo sempre ocorre através da emoção. Assim estará presente nos textos românticos a saudade, a tristeza, a desilusão.
• Egocentrismo: À volta para o eu, postura narcisista (de Narciso, o personagem da mitologia grega que contemplou a si próprio, nas águas de um rio).
• Medievalismo: Os...
tracking img