Cordel

Solo disponible en BuenasTareas
  • Páginas : 16 (3868 palabras )
  • Descarga(s) : 0
  • Publicado : 23 de diciembre de 2010
Leer documento completo
Vista previa del texto
E de repente foi o cordel
pelejas e narrativas nordestinas, em verso
Por Laura Benitez Brickmann

Resumo:

O milenar ofício de contar histórias sempre teve um lugar de destaque nas culturas que valorizam os ancestrais e seus ensinamentos; no entanto, no Nordeste brasileiro, cordel, repente, e xilogravura estão precisando do incentivo estatal e privado para não cair no esquecimento e paracontinuar a expressar a alma e a idiossincrasia desse povo. Embora muitos estudiosos considerem que esse tipo de literatura e atividades anexas nada têm a ver com as expressões populares da Península Ibérica, é possível reconhecer elementos comuns que vão além dos temas e do tratamento que deles se faz na cultura nordestina. Porquanto a memória coletiva é constituída em grande medida pela práticadesses saberes, eles merecem ser registrados como Patrimônio Cultural do Brasil, como primeiro passo na proteção que lhes é devida. Palavras-chave: Cordel; Repente; Xilogravura; Patrimônio Imaterial; Poesia popular.

Abstract: In cultures which value their ancestors' teachings, storytelling has always enjoyed high prestige. Nowadays, however, in Northeast Brazil, “cordel” (chapbooks), “repente”(sung improvisation) and xylography definitely need private and governmental support to continue expressing this people's soul and idiosyncrasy. While many experts consider this type of literature was born in Brazil and they find no relation to Iberian literary pamphlets, a number of similarities can actually be identified, irrespective of differences in topics or approaches. Since these culturalpractices significantly contribute to collective memory, their registration as Brazil’s “Patrimônio Cultural Imaterial” (Non-material Cultural Heritage) is certainly the first step to be taken in order to protect them as they deserve. Key words: Cordel; Repente; Xylography; Non-material Heritage; Popular poetry

2

Oxente! Se chegue, freguesia!

Veja só que maravilha! Dessa história dacultura, entremos já na sustância: será que o cordel perdura e produz conhecimento? Ele vem do descobrimento e é mesmo Literatura!

“O cordel continua resistindo porque ele realmente é novo.” Antônio Queiroz
Presidente da Associação de Poetas da Literatura de Cordel da Bahia Entrevista - 2006

E

ra-se uma vez um cego que ao cair da tarde, parado numa esquina de Lisboa, cantava uma narrativa emverso ante uma plateia que o ouvia

hipnotizada. Todo mundo a conhecia: tratava-se da história de Pedro Malasartes. Um dia de domingo, não muito longe daí, no interior, um vendedor de rua percorria a feira oferecendo uns livrinhos coloridos. O cordel, jornal e literatura, encantava os fregueses desde antes de ser escrito.

Embora culturas tão antigas como a anglo-saxã, a fenícia, a cartaginesa,a grega e a romana já conhecessem o cordel, acredita-se que os primeiros romances chegaram à Península Ibérica por volta do século XVI. Sá de Miranda foi quem introduziu em Portugal a sextilha com rimas cruzadas, derivadas da oitava, de Ariosto. Essa inovação possibilitou a Camões escrever “Os Lusíadas”.

Três séculos mais tarde, logo após a hora da novena, do outro lado do oceano, no Brasil,podia-se assistir a uma cena semelhante, rostos também surpresos: uma avó ensinava aos netos os mistérios de Nossa Senhora. O cordel chegara para ficar. A prática tinha sido trazida pelos colonizadores, e por muito tempo, foi somente oral,

3 fixando-se em livrinhos de folhas frágeis e às vezes mal impressas, apenas a partir de fins do século XIX.

Vindos da península, os relatos de CarlosMagno, do rei Arturo, de João Grilo e das vidas dos santos juntaram-se às lendas indígenas, às obras literárias clássicas, às matérias noticiárias do Brasil e do mundo e –com o advento da TV– até à novela das sete, para conformar uma miríade de histórias que habitaram primeiro o interior nordestino e com a migração, chegaram ao Rio, a São Paulo, a Brasília, a Goiás, enfurnaram-se em Mato Grosso e...
tracking img