Estatistica energia

Solo disponible en BuenasTareas
  • Páginas : 5 (1157 palabras )
  • Descarga(s) : 0
  • Publicado : 26 de noviembre de 2010
Leer documento completo
Vista previa del texto
1. Introdução

O século XX foi marcado pela era dos combustíveis fósseis, principalmente pelo petróleo que, mesmo trazendo os benefícios que a tecnologia proporciona para o desenvolvimento da humanidade, gera também consequencias sérias na esfera global, como as mudanças climáticas e na esfera local, como a contaminação ambiental e impactos na saúde humana. Torna-se imprescindível uma mudançasubstancial no modelo energético vigente.

Nesse limiar do século XXI, encontramos um modelo de desenvolvimento que ainda se mostra hegemonicamente insustentável, gerando impactos socioambientais significativos e sem dúvida nenhuma a questão energética está no centro dessa crise ambiental mundial.

Em 2002, a "Iniciativa Brasileira de Energia", proposta iniciada pelo Prof. José Goldemberg, foium dos pontos centrais das discussões na Conferência Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável, em Johannesburgo, com ampla cobertura da mídia e acirradas posições dos governos e das organizações ambientalistas e empresariais. O assunto, que não constava na Agenda 21 elaborada na RIO-92, foi incluído no Artigo 19 (e) do documento final da CMDS:

"e) .....Com um sentido de urgência, aumentarsubstancialmente a distribuição global das fontes de energia renovável com o objetivo de aumentar sua contribuição ao fornecimento total de energia, reconhecendo o papel das metas nacionais e voluntárias regionais, bem como as iniciativas, onde elas existem ....."

Desta maneira, podemos afirmar que o Brasil está caminhando para um modelo sustentável de desenvolvimento econômico, investindo emenergias limpas e podendo tornar-se um importante porta-voz no mundo das questões ambientais? O objetivo deste artículo é analisar a parcela que ocupam as energias renováveis na Matriz Energética Brasileira e sua evolução ao longo das últimas décadas.
2. A Matriz Energética Brasileira atual

[pic]

Observamos que o atual modelo energético brasileiro ainda é concentrado no petróleo, que representa39% do total da produção de energia no país. Atualmente, o Brasil produz dois milhões de barris de petróleo por dia, o que torna o país auto-suficiente. Entretanto, a produção atual é apenas suficiente para consumo interno e não há excedente para exportação. Com a descoberta do Pré- Sal, acredita-se que o país chegará a 1 milhão de barris excedentes em 2016.

Em 2008, os produtos derivados dacana-de-açúcar representaram a segunda fonte de energia no Brasil, estando inclusive à frente da energia hidráulica, sendo uma importante alternativa aos combustíveis fósseis. A indústria da cana encontra-se em expansão, principalmente, pela demanda de etanol. O setor envolve atividades industriais modernas, como constatamos com a produção em larga escala de carros flex, a construção de enormesusinas para o processamento da cana, a utilização do vinhoto (subproduto da cana) como adubo, e a utilização do bagaço e da palha da cana para produzir energia elétrica. Atualmente, o alcool também está sendo utilizado como matéria-prima na industria petróquimica.
A energia hidráulica representa, neste último balanço, 13% da produção de energia primária no país. Em todo o mundo, o Brasil é o paíscom o maior potencial hidrelétrico. Apesar de tratar-se de energia renovável, muitas vezes a construção de usinas hidrelétricas é questionada pelos impactos socio-ambientais que provocam. No entanto, o Brasil possui 159 usinas hidrelétricas, 227 centrais geradoras hidrelétricas e 320 pequenas centrais hidrelétricas, responsáveis por 85,6% da geração de eletricidade no Brasil.
Encontramos ainda um12% de emprego da lenha como biocombustível. A indústria de alimentos e bebidas é a maior consumidora de lenha, e junto com as cerâmicas e as indústrias de papel e celulose, respondem por 88% do consumo industrial deste combustível. De um modogeral, a lenha consumida provem de eucaliptos, plantados nas proximidades das empresas.

A participação atual de 9%, coloca o gás natural em quinta...
tracking img