Sociologia

Solo disponible en BuenasTareas
  • Páginas : 8 (1880 palabras )
  • Descarga(s) : 7
  • Publicado : 13 de junio de 2010
Leer documento completo
Vista previa del texto
Lukács e a
ontologia:
uma introdução
Sérgio Lessa
Professor do Departamento de Filosofia da Universidade
Federal de Alagoas
Georg Lukács nasceu na Hungria em 1885, dois anos após a morte de
Marx e ainda em vida de Engels. Faleceu em 1971, quando o estruturalismo
exibia suas primeiras crises e a “pós-modernidade” ainda dava os seus
primeiríssimos passos. Participou ativamente do que setransformou, com
todos os prós e contras, da tragédia deste século: tal como tantos outros revolucionários,
apostou todas as suas fichas na Revolução Russa, em especial
no leninismo e, até o final de sua vida, manteve sua adesão ao que veio a se
transformar o Leste Europeu.
Quando se entra em contato com a obra Lukács pela primeira vez, não
raramente esta parece ser a questão mais urgente: foiele ou não um stalinista.
O fato de a resposta depender do que entendemos por “stalinista” é já um indício
do terreno nebuloso em que nos encontramos. Se por este termo entendemos
uma adesão incondicional a Stalin, há argumentos suficientes para afirmar
taxativamente que Lukács não foi um “stalinista”. Ele realizou uma incansável
“luta de guerrilha” contra a consolidação do que teoricamentese cristalizou
como o dogma stalinista, se opôs ao abandono da tradição hegeliana enquanto
um dos elementos constituidores do pensamento marxiano, criticou, incansável,
o mecanicismo e economicismo do “marxismo oficial”: em suma, não há
nenhuma identidade entre Lukács e o stalinismo neste patamar.1
Contudo, se entendemos por stalinismo um campo mais amplo, que
se particulariza no interior domarxismo no século XX pelas teses do “socialismo
em um só país” e pela defesa do modelo soviético como um passo
efetivo na direção da sociedade comunista, certamente Lukács se encontraria
no seu interior. Até o final de sua vida entendeu que as “deformações”
do socialismo soviético diziam respeito, apenas, às esferas da política e da
ideologia, não atingindo as relações de produção. Talvezemblemática de
sua posição política tenha sido a sua postura quando do Levante Húngaro
1 Nicolas Tertulian publicou o mais importante texto acerca da oposição de Lukács ao
stalinismo, intitulado “Lukács e o stalinismo”, Praxis, 2, 1994.
84 - outubro
Sérgio Lessa
de 1956: participou ativamente da revolta, foi Ministro do governo rebelde,
mas foi contra o rompimento com a União Soviética.Nunca abandonou a
idéia de que uma reforma, para ele ao mesmo tempo possível e imprescindível,
poderia converter o sistema soviético em autêntico socialismo. Talvez
não seja um exagero afirmar que foi ele um incansável e intransigente reformista
no interior do “socialismo real”.
Suas obras não poderiam deixar de trazer a marca desta sua opção
pela “radical oposição reformista” no interior dobloco soviético, e ,certamente,
está aqui a clivagem fundamental entre Lukács e o seu mais
brilhante discípulo, István Mészáros. Reconhecer estas marcas, contudo,
em nada nos aproxima daquela posição, não rara, que recusa in totum
toda a sua produção de maturidade como mera expressão do stalinismo.
Assim o fizeram tanto os seus ex-discípulos que passaram ao campo liberal-
burguês, como AgnesHeller e Ferenc Feher, autores claramente conservadores
como Kipadarky, Gáspár Tamas e, entre nós, em um livro recentemente
publicado, Juarez Guimarães.2 Esta posição está completamente
equivocada: joga-se fora a criança junto com a água do banho.
Contudo, fechar os olhos a esta relação, e às suas conseqüências teóricas,
não tem sido menos problemático.
Esta relação de Lukács com o stalinismo,contudo, é apenas o primeiro
e mais superficial aspecto de uma problemática muito mais complexa. A
evolução política e intelectual de Lukács, ao longo de quase um século de
existência, desdobrou uma relação com Marx, e com o comunismo, muito
heterogênea, o que adiciona muitos elementos complicadores para a análise
de sua posição política. O jovem Lukács, anterior à História e Consciência...
tracking img