Tambou lapè, uma experiência positiva sobre a retirada de jovens implicados na violencia armada

Solo disponible en BuenasTareas
  • Páginas : 10 (2434 palabras )
  • Descarga(s) : 0
  • Publicado : 27 de noviembre de 2011
Leer documento completo
Vista previa del texto
Tambou Lapè, uma experiência positiva sobre a retirada de jovens implicados na violencia armada
Daniela Bercovitch Artigo exclusivo para a publicação bimestral “Exit”, ano 1, número 0. Clique aqui para ser um assinante. Bairro histórico e cultural de Port-au-Prince, Bel-Air experimentou um período de prosperidade até o ano 1940. Com a explosão demográfica dos últimos anos, no entanto, o bairro esuas imediações foram invadidos por moradias precárias e pelo comércio de rua, dando início a um processo de bidonvilização.∗ Os problemas adquirem uma dimensão política em 2004. Bel-Air passa a apresentar um aspecto anárquico, e as disputas políticas fazem muitas vítimas, sem poupar igrejas e escolas. Um enclave onde as gangues se enfrentam numa guerra armada, sem nenhum respeito pela população,tomada como refém. Segundo o recenseamento feito pelo Viva Rio1, 40 % da população fugiu de Bel-Air durante
2

esse

período de distúrbios e

enfrentamentos . A pirâmide demográfica do bairro, no início de 2007, mostra que as famílias tiraram de lá seus filhos nos períodos de violência. Uma segunda pesquisa, feita em dezembro de 2007, mostra que mais de 2/3 das crianças que foram tiradaspor seus pais já estavam novamente na área. No Haiti, assim como em outros países, os adolescentes e os jovens constituem o principal grupo de risco da violência urbana. Estão mais expostos aos riscos externos (em oposição
(Aceso a WEB, 26/07/2009) Bidonvilles, em fances. O sociólogo haitiano Gerard Pierre Charles a define como “a degradação do tecido urbanístico e o crescimento descontrolado”. (Ndo T) 1 Ver www.haitiici.com ou http://blog.comunidadesegura.org/haitiici/recensement-de-bel-air-2007/, htpp//www.comunidadesegura.com/fr/node/42434 2 74,3% dos recenseados afirmam que sempre moraram lá.


aos riscos biológicos). As crianças são, em geral, controladas pelos adultos. Aqueles, ao contrário, têm responsabilidades que os afastam das situações de risco. Os adolescentes e jovenssão mais agressivos e vitimizados em contextos violentos. Por outro lado, os jovens tem aquela energia que, eventualmente, pode conturbar a sociedade em situações difíceis. Portanto, a interação entre segurança e rede de jovens é crucial para o projeto do Viva Rio. Organizados informalmente, os jovens do Haiti têm uma influência considerável nas áreas dos bairros desfavorecidos. Isso é verdade,sobretudo, em Bel-Air e nas suas imediações, lugares muito conhecidos por uma poderosa e ativa cultura de rua. Após os enfrentamentos, o projeto identificou catorze localidades, articuladas em cinco zonas rivais: Fort National, a própria Bel-Air, Delmas 2, Solino e La Saline/Fortouron. Dado o contexto, a pacificação deverá incluir todas essas cinco zonas vizinhas. Para se construir e manter a paz, aspartes opostas devem estar todas incluídas. Exceto a definição territorial, outros elementos têm que ser considerados. A denominação base representa grupos complexos que combinam, ao menos, quatro conteúdos distintos3: - Comando local- Formam um comando comunitário de fato, não eleito, mas reconhecido como base organizada da sociedade local. São geralmente chamados de base (uma nomenclaturaoriginária do discurso da Teologia da Libertação dos anos 80). - A Militância Política- são os herdeiros do tempo de Aristide4 , que lhes deu muito poder, ao ponto de fornecer armas a algumas das bases. Estes grupos são muito sensíveis à política, e dela esperam obter benefícios.

3

FERNANDES, Rubem César. Honor and Respect for Bel Air Youth, Street Culture and Peace Accord, 2009. 4 Antigopresidente da República do Haiti em 1991, depois de 1994 a 1996 e finalmente de 2001 a 2004, antes de sua partida ao exílio.

- A Expressão Cultural - cada localidade tem um ou muitos bandas de rua que praticam um estilo tradicional de cantos e dança, chamados RARA. Um grupo de RARA pode ter, em média, 50 participantes regulares (homens e mulheres). - A Atividade Criminosa - Os grupos do poder...
tracking img