Filosofia antiga

Solo disponible en BuenasTareas
  • Páginas : 11 (2528 palabras )
  • Descarga(s) : 0
  • Publicado : 17 de septiembre de 2010
Leer documento completo
Vista previa del texto
Universidade Federal de São Paulo
CAMPUS GUARULHOS

Michelle Pinheiro Dias (matricula:50382)
Filosofia - 5º Termo Noturno
Profº Mauricio Marsola




SãoPaulo, 2010

História da Filsofia Antiga I

Questões sobre a República.

1. Comente o elemento teológico da critica aos poetas (livros II-III)
2. Descreva a estrutura do três símiles, analisando seus significados (VI-VII)
3. Comente a figura do filósofo, suas qualidades e sua formação (V-VII)
4. Relacione tripartição da alma e virtudes (IV)
5. Analise a figura do tirano apartir da deteorização das formas de governo e os tipos de homem a elas correspondentes (VIII-IX)

























São Paulo,2010


2.
Acerca da analogia dos símiles (linha,/Sol/Caverna) temos que primeiramente expor que ela é empregada à favor da concepção da Teoria Platônica sobre o inteligível(Idéias e as Formas) e osensível (aparências e as sombras).

Pois bem!Toma uma linha dividida em duas seções desiguais [...]corta cada seção segundo a mesma proporção,a do gênero visível e a do inteligivel [...],no mundo visível terás uma das seções,as imagens.Chamo de imagens, em primeiro lugar, as sombras. (509d)

A analogia da linha , aparece no final do livro VI, e há de se fazer algumas considerações antes desua analise. Sua característica é de investigar a existência do bem. Há nela uma organização e/ou divisão , de um lado, entre os graus do Ser e , do outro, as operações da alma no sentido de encontro ao conhecimento. Nela o bem e a filosofia se correlacionam e se localizam, no topo, no inteligível; um pouco abaixo fica os entes matemáticos e a razão, após , no sensível,os seres naturais e a crença eabaixo imagens e suposição. A alma filosófica perpassa todas as operações, em todos os graus do Ser até atingir o bem, aquilo que é supremo e divino1.

Aqui revela-se o único ponto acima da justiça: o bem. Por bem compreende-se algo inteligível 2 , almejado e desejado, o qual direciona todos os homens. O bem platônico é a própria divindade, ordenadora e uma espécie de Forma suprema. Por issoela é essencial para o homem e para deixar sua alma em ordem Seu outro caráter é de unificador . Os homens que conseguirem atingi-ló são considerados, por Sócrates, filósofos pois trata-se do mais alto ponto das operações da alma.

Para explicitar a importância do bem, no campo do inteligível, a metáfora do sol é usada na esfera do sensível.
Creio que dirás que o sol não só proporciona aosobjetos visíveis a capacidade de serem vistos, mas também a gênese, o crescimento e a nutrição [...] (509 b)

Todas as coisas que estão no sensível aparecem-nos na penumbra quando iluminado por uma luz derivada. Mas essa mesma coisa aparece claramente quando iluminada pelo sol; aí se pode ver objetivamente o que a coisa é e todas as suas características. Da mesma forma, pode-se conhecer semerros algo quando a luz do bem ilumina-o. Para Platão o sol correlaciona-se ao sensível assim como o bem para o inteligível; [...] o sol é o filho do bem, aquele que o bem engendrou como análogo a si, cuja relação no inteligível com a inteligência e as coisas inteligíveis é a mesma que o sol tem.no mundo visível, com a vista e as coisas visíveis. (508c)

As características do bem e suas relaçõescom as pessoas justificam o governo do filósofo pois o bem é o que unifica a alma dos homens e organiza as Formas3as quais tem acesso na esfera do inteligível ou seja o sol “reina” na esfera sensível e o bem “reina” na inteligível.

________________________________________
1 “ Deus não deve ser confundido [...] com o divino, e portanto com o Princípio primeiro (o Bem, ou seja, o Uno e a...
tracking img