China e áfrica: a política de pequim para o continente africano

Solo disponible en BuenasTareas
  • Páginas : 4 (755 palabras )
  • Descarga(s) : 0
  • Publicado : 27 de diciembre de 2010
Leer documento completo
Vista previa del texto
China e África: a política de Pequim para o continente africano

João Bosco Monte

Os prognósticos apocalípticos anunciados no ano passado pelos organismos internacionais de crédito, com respeitoaos efeitos que a crise internacional causaria na África não se cumpriram. Tanto o FMI como o Banco Mundial prediziam com certa lógica que a paralisação do comércio mundial e dos créditos financeirosafetaria o continente.

O que se poderia esperar de um continente que apresenta a triste imagem do único continente onde os indicadores econômicos, sanitários e sociais se deterioramsistematicamente? Dos 49 países menos avançados no mundo, 34 são subsaarianos. Além disso, há de se considerar a crônica instabilidade política das cinco últimas décadas com um saldo de mais de sete milhões demortos e mais de 10 milhões de refugiados fugindo de 32 conflitos armados. Para agravar o quadro, 70% das pessoas infectadas pela AIDS no mundo se encontram na África.

Apesar dos dados apresentados nãoserem sedutores, é possível identificar paises que deliberadamente decidiram “apostar” no continente africano. O que se percebe é que a economia africana está se erguendo e em estado crescente. E foiprecisamente à China que entendeu que vale à pena “remar contra a maré”.

A penetração chinesa na África em busca de recursos naturais que consolidem seu grande crescimento deu um grande salto apartir de 2005, quando do nada desembarcaram no continente aproximadamente 1.000 empresas e centenas de milhares de trabalhadores.

Pode-se dizer que a crise econômica mundial dos dois últimos anosacelerou a conquista chinesa na África subsaariana. Aproveitando a falta de visão e iniciativa ocidental, onde as empresas se colocam na defensiva e tratam de conter o gasto, Pequim disponibilizou maisde 60 bilhões de dólares em apenas seis meses para controlar o acesso a matérias primas e competir diretamente com grandes multinacionais como Exxon Mobil e Shell.

Dessa forma a China utiliza a...
tracking img