Cinema, infância e educação

Solo disponible en BuenasTareas
  • Páginas : 26 (6351 palabras )
  • Descarga(s) : 0
  • Publicado : 30 de marzo de 2011
Leer documento completo
Vista previa del texto
CINEMA, INFÂNCIA E EDUCAÇÃO FRESQUET1, Adriana – UFRJ adrifres@uol.com.br GE: Educação e Arte / n.01 Agência Financiadora: Sem financiamento Este trabalho pretende explorar os conceitos de cinema, infância e educação e algumas das suas possíveis relações. Ele consiste numa busca teórica em diálogo com diversos teóricos e cineastas em função de ler as idéias de cinema, infância e educação tomandocomo eixo a experiência. Na primeira parte apresentamos algumas teorias do cinema e uma breve reflexão acerca do cinema como experiência. Na segunda, exploramos o conceito de infância, seu surgimento e agonia, assim como sua relação com a linguagem onde encontramos a experiência. Na terceira, abordamos a educação desde uma perspectiva prática, seguindo a psicologia russa e pensando napossibilidade da vivencia como unidade de análise da relação entre sujeito e mundo real e imaginário. No final, aproximamos algumas possibilidades da vivencia do cinema em tanto nos introduz no processo de projeção-identificação, aproximando-nos a nossa infância, ao outro e a fazer da educação uma experiência.

1- Pensando o cinema
Um sorriso de criança na tela e o jogo está ganho. Mas justamente o quesalta aos olhos quando examinamos a vida é a gravidade da criança em relação à futilidade do adulto. (...) um filme de crianças pode ser elaborado encima de pequenos fatos, pois na verdade nada é pequeno no que se refere à infância. (Truffaut, 2005, p.36).

Não existe uma teoria do cinema universalmente aceita. Existem sim, teorias diversamente fundamentadas que nos permitem pensar o cinema dediferentes formas. Para Turner (1997), o cinema não reflete nem registra a realidade como qualquer outro meio de representação. Em verdade ele constrói e ‘reapresenta’ seus quadros da realidade por meio dos códigos, convenções, mitos e ideologias da cultura, bem como mediante práticas significadoras específicas desse meio de comunicação. Isto é, o cinema atua sobre

O trabalho de pós-doutoramentofoi realizado na Faculdade de Educação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), sob orientação da professora Sonia Kramer, dentro do projeto de pesquisa "Crianças e Adultos em Diferentes Contextos: a Infância, a Cultura Contemporânea e a Educação" financiado pelo CNPq. Na atualidade a autora é Professora Adjunta de Psicologia da Educação na Faculdade de Educação naUniversidade Federal do Rio de Janeiro onde coordena o projeto de pesquisa/extensão: Cinema para aprender e desaprender.

1

1

os sistemas de significado da cultura – para renová-los, reproduzi-los ou analisá-los – mas, ao mesmo tempo, também é produzido por esses sistemas de significado. Nesse sentido, o cineasta usa os repertórios e convenções representacionais disponíveis na cultura a fim defazer algo diferente, mas familiar; novo, mas genérico; individual, mas representativo. No Dicionário teórico e crítico de cinema elaborado pelos franceses Jacques Aumont e Michel Marie (2003) sugerem-se seis maneiras de entender o cinema. Vamos nos introduzir, brevemente, em cada uma delas. O cinema como reprodução ou substituto do olhar. Esta teoria remonta-se à idéia bakhtiniana de excedente davisão (Bakhtin, 2003, p. 21). Ele nos faz refletir acerca do que sucede quando estamos olhando nos olhos de outra pessoa. Enxergamos nas suas pupilas o reflexo do que ela está olhando (incluída a nossa própria imagem). No olhar do outro se vê tudo aquilo que não alcançamos ver com os nossos olhos. Embora aproximando-nos de lado, mirando num mesmo horizonte, juntando rosto com rosto, existe umexcedente da visão do outro que não alcançamos, assim como nós vemos algumas coisas que o outro não alcança visualizar. É um excedente condicionado pela singularidade e pela

insubstituibilidade do próprio lugar no mundo em tempo, espaço e circunstâncias, afirma Bakhtin. Cineastas tais como Krakauer, Cavelh, Souriau, Vertov, Epstein, Bazin e Balázs destacam esta possibilidade do cinema de fazer ver o...
tracking img