Ovni e as civilizações extraterrestres

Solo disponible en BuenasTareas
  • Páginas : 247 (61578 palabras )
  • Descarga(s) : 0
  • Publicado : 21 de junio de 2010
Leer documento completo
Vista previa del texto
1

OVNI
E As Civilizações Extraterrestres
GUY TARADE

ÍNDICE Agradecimento Introdução 1. Testemunhos sobre observações do OVNI 2. Há dez mil anos, extraterrestres viveram em nosso planeta 3. A ciência das radiações, herança extraterrestre no Egito 4. Nos escritos do passado: a prova de que relações intergalácticas existiram na aurora do mundo 5. Contra-investigação no tempo: OVNI no céu daCôte D'Azur e da Provence em Agosto de 1608 6. As máquinas fantásticas viriam da quarta dimensão? 7. As Amazonas pilotavam OVNI? 8. À guisa de capítulo, uma hipótese: a conjunção dos sexos 9. Contatos diretos ou intuição dirigida? 10. Quando o céu fala: diálogo com o espaço 11. Máquinas fantásticas construídas em nosso planeta

2

12. OVNI — Escritos sacros — Ciência antigravitação e sinaisno céu 13. Os extraterrestres, nossos vizinhos vindos de fora: os contatos 14. A perturbadora história das máquinas fantásticas desde 1946 15. Alerta no céu 16. Máquinas fantásticas, acidente cósmico e Calendário Maia 17. Máquinas fantásticas... origem Ganimedes ou os trabalhos de Francis Scheafer, o cientista, confundindo-se com as meditações de Paul Le Cour, o místico iniciado 18.À guisa deconclusão: uma quadra de Nostradamus ditada pelos Nove Superiores Desconhecidos Posfácio AGRADECIMENTO Agradecemos a todos os nossos amigos e correspondentes, que nos trouxeram documentação e seus conhecimentos sobre o incrível problema das "Máquinas Fantásticas". Dirigimos um pensamento agradecido e toda a nossa gratidão a Você, G. B., que sabia tantas coisas sobre os "EXTRATERRESTRES", e que não asocultou. INTRODUÇÃO Foi em 1946, acima da Escandinávia, que apareceu a primeira onda dos "discosvoadores" dos tempos modernos. Há duas décadas, o fenômeno OVNI (Objetos Voadores Não Identificados) tem sido estudado por pessoas sérias que pertencem a todas as classes da sociedade, e uma conclusão se impõe: as observações constatadas não correspondem unicamente a formas luminosas e fugazes, mas,sobretudo, a engenhos que apresentam a aparência de "máquinas voadoras", tais como nós gostaríamos de construir se a nossa técnica fosse mais adiantada. Numerosos testemunhos, a maioria provindos de pilotos, de técnicos, de engenheiros, provam-nos, de maneira irrefutável, que nos encontramos em presença de objetos fabricados, pilotados ou teleguiados. Na França, como em quase todo o mundo, gruposparticulares se constituíram para sondar esse irritante problema, enquanto organizações oficiais trabalhavam no mundo inteiro para desvendar o mistério dos engenhos espaciais de origem indeterminada. Hoje, nos cinco continentes, quaisquer que sejam a nacionalidade, a religião, a influência da denominação política, qualquer que seja o grau de civilização, existem muitas dezenas de milhares de pessoas,talvez milhões, que possuem uma compreensão comum que vai além das ideologias, que desafia os dogmas científicos e que, num grau nunca atingido antes nas relações de um mundo multi-racial, estão em concordância com uma doutrina solitária: uma crença nas visitas feitas ao nosso planeta por desconhecidos vindos de um outro espaço.

3

A história da humanidade prova-nos que o homem sempreencontrou mais do que procurava. As grandes descobertas, com freqüência, foram realizadas contra o senso comum. Era ir contra o senso comum afirmar, há coisa de quatro séculos, que a Terra girava em torno do Sol! Mas é preciso ainda fazer distinção entre o senso comum e o bom senso. É o bom senso que, aplicando-se melhor ao detalhe e aprofundando-se no sentido das coisas, contraria com freqüência osenso comum, o qual é apenas a primeira impressão. Aos testemunhos mais íntegros dos que puderam ver evoluir sob seus olhos um Objeto Voador Não Identificado, os científicos afirmam: "É um balão-sonda, que você imaginou que fosse um disco-voador!" Com freqüência esta resposta-chavão, ridícula, foi empregada para levar ao ridículo os observadores. M. Masse, um morador de Valensole nos Baixos-Alpes...
tracking img