Filosofia

Solo disponible en BuenasTareas
  • Páginas : 73 (18001 palabras )
  • Descarga(s) : 0
  • Publicado : 10 de septiembre de 2012
Leer documento completo
Vista previa del texto
Início
Educar a liberdade
* o que é a moral
* egoísmo e dever
* o valor da consciência
* a fraqueza humana
* o uso da liberdade
* atitudes fundamentais
* respeitar as coisas
* o próximo
* transmitir a vida
* vivemos em sociedade
* amor a deus
* a moral cristã
* o acontecimento de cristo
* a igreja
* viver como filhos de deus
*  * fonte
* ligações

A moral e a felicidade
Costumamos ter uma ideia bastante vaga do que vem a ser a "moral". A uns parece um jogo de prémios e de castigos, a outros um conjunto de regras e proibições, ou ainda uma questão de bons sentimentos. Mas a moral é, numa frase feliz de Sto. Agostinho, "a arte de conduzir a vida". É a arte de viver bem, de viver como deve viver um ser humano paraser verdadeiramente feliz.
A partir daqui, pode-se refletir sobre a dimensão moral que têm todos os aspectos da vida: relacionamento com Deus, com os outros e com as coisas que nos rodeiam; como conjugar os bens que nos atraem e os deveres que nos chamam; as fraquezas e os heroísmos de que somos capazes.

1. EDUCAR A LIBERDADE
educar a liberdade
1. o que é a moral
2. egoísmo e dever3. o valor da consciência
4. a fraqueza humana
5. o uso da liberdade

1.1.O que é e não é a moral
 
O que não é a Moral
O que é a Moral
A Moral como Arte
A Moral cristã

1.1.1.O que não é a Moral
Estamos habituados a falar continuamente de moral. É fácil, porque todos temos alguma coisa a dizer, mas é difícil conseguir que os outros nos escutem e concordem conosco. Cada umtem a sua opinião. Nisto parece-se mais com a Arte do que com a Ciência.
Além disso, a Moral parece mudar com as culturas e com as épocas. Fala-se de "moral ultrapassada". Para muitas pessoas a moral "tradicional" consiste num conjunto de regras fixas, mais ou menos "impostas", deixando as pessoas "reprimidas", etc.
Daí, parece que, ao caírem as "proibições", e ao vermos que o mundo continua,alcançamos um grande progresso. O único princípio moral que resta é o da boa intenção. Se existe boa intenção, isso basta.
Além disso, o que cada um queira fazer com a sua vida, é um assunto privado, desde que não incomode os outros. Se há conflito de direitos, aí está o Estado, para garantir um certo equilíbrio.
No entanto, existem coisas que, à primeira vista, parecem ser más para todos,independentemente da intenção: matar uma criança, bater num idoso, maltratar um animal, contaminar um rio. Seria, no entanto, complicado justificá-lo. Quando muito chegar-se-ia a um raciocínio do género: se todos o fizessem, a convivência tornar-se-ia insuportável. Mas, por exemplo, se a "mim me apetece bater num cachorro" e não incomodo ninguém… E se só maltratar "um pouco"?
Numa palavra, por estecaminho, o único que poderíamos dizer é que a moral consiste num conjunto mínimo de normas combinadas para tornar possível a convivência humana.
1.1.2.O que é a Moral
Na realidade, a moral tem muito pouco a ver com tudo isso. Se tivéssemos que dar uma definição simples do que é a moral, poderíamos dizer que é a arte de viver.
Arte: conjunto de conhecimentos teóricos e técnicos, experiências ehabilidades. Todos estes elementos são necessários.
A moral é a arte de viver bem, viver como é próprio de um ser humano.
Os animais vivem espontaneamente, aparte algumas estratégias para conseguir comida, por exemplo, ninguém os ensina. Bastam-lhe os instintos.
Mas o homem é um ser livre. Precisa de saber muitas coisas que os animais conhecem por instinto e muitas outras que os animais simplesmentenão conhecem. Precisa de ser educado para viver como homem. O recém-nascido nem sequer é capaz de buscar o alimento que precisa. Nos primeiros meses é preciso fazer-lhe tudo e, mais tarde, ensinar-lhe tudo.
Além disso, tem de aprender o que é próprio do homem: falar, escrever, relacionar-se, portar-se bem em público, etc. Se não for educado, não desenvolve as suas capacidades que lhe vêm da sua...
tracking img