Identidades de género construídas numa modernidade ambígua

Solo disponible en BuenasTareas
  • Páginas : 31 (7701 palabras )
  • Descarga(s) : 0
  • Publicado : 31 de mayo de 2011
Leer documento completo
Vista previa del texto
Habitar um corpo sexualizado: Identidades de género construídas numa modernidade ambígua

Rute Reis
Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa. Instituto Universitário de Lisboa

Resumo
Este artigo baseia-se nos resultados duma investigação sobre a construção social das identidades de género nas crianças1. No contexto da modernidade reflexiva marcado pela individualização epela possibilidade dum projecto identitário do self, notou-se um limitado espaço para a performatividade de género, experienciando os sujeitos ambiguidades e tensões ao habitarem um corpo sexualizado, habitado por um sexo naturalizado. Ainda assim, foi possível observar alguma transversalidade de género na construção identitária das crianças, o que permite pensar na desconstrução do binário degénero normalizado.
Palavras-chave Género, identidade, corpo, individualização, socialização.

Abstract
Inhabit a sexualized body: gender identities built in a ambiguous modernity
This paper is based in the results of a research about the social construction of gender identigties in children2. In the context of reflexive modernity characterized by individualization and the possibility of anidentity project of self, we could see little space for gender «performativity» and individuals living ambiguities and tensions in inhabiting their sexualized bodies, inhabited by a naturalized sex. Nevertheless, it was possible to see some gender transversality, pointing to the importance of reflecting on the deconstruction of the normalized gender binary.
Keywords Gender, identity, body,individualization, socialization.

Résumé
Habiter un corps sexualisé: identités de genre construites dans une modernité ambigue
Cet article se base sur les résultats d'une investigation sur la construction sociale des identités de genre dans les enfants3. Dans le contexte de la modernité reflexive marqué par l' individualisation et par la possibilité d'un projet identitaire du «self», on a remarqueun espace borné pour la performativité de genre, expérienciant les sujets des am2iguïtés et des tensions en habitant um corp sexualisé, habité par un sexe naturalisé. Pourtant, on a pu observer quelque transversalité de genre dans la construction identitaire des enfants, ce qui permet de penser à la déconstruction du binaire de genre normalisé.
Mots-clés Genre, identité, corp, individualisation,socialisation.

«Sou quem sou
Um acaso inconcebível
como todos os acasos.
(…) Um indivíduo nascido sob a estrela ruim
que para outros seria boa.
E o que seria se despertasse nas pessoas medo?
Ou só aversão?
Ou só piedade?
Se não tivesse nascido
na tribo certa
e todos os caminhos se me fechassem?
Até agora, a sorte mostrou-se-me favorável.
Poderia não ter-me sido dada
arecordação dos bons instantes.
Poderia ter-me sido negada
a tendência para comparar.
Poderia até ser eu própria
mas sem o dom da admiração,
Quer dizer – alguém completamente diferente»
Wislawa Szymborska, 2006, Um não acabar mais4

Introdução
O presente artigo baseia-se no projecto de doutoramento intitulado «Processos de construção social das identidades de género nas crianças:um estudo de caso com um grupo de pré-adolescentes em Viseu», que teve o objectivo central de compreender a construção social das identidades de género nas crianças, a partir dos processos que participam na construção do ser (e/ou percepcionar-se como) rapaz/rapariga, homem/mulher. Partindo do pressuposto de que na modernidade reflexiva o corpo se torna central para a construção da identidade(Shilling, 2003), problematiza-se a construção das identidades de género, com base nos resultados do estudo de caso, perspectivando-se as ambiguidades inscritas na individualização do corpo sexualizado.
Ser «rapaz» ou «rapariga», «homem» ou «mulher», é agir, pensar, apresentar-se e movimentar-se na vida social, de acordo com o que as pessoas em sociedade acreditam ser próprio do «masculino» e...
tracking img